Holanda Supera Os EUA E A China E Detém 40,5% Da Fatia Investidora Europeia No Brasil

O investimento externo no Brasil chegou a US$ 90 bilhões em 2022 e a US$ 31,6 bilhões somente no 1º semestre deste ano. Os dados alertam empresas interessadas em aterrissar em solo brasileiro e as incentivam em dobrar o aporte

Brasil, setembro de 2023: Investidores estrangeiros praticamente dobraram o aporte no setor produtivo brasileiro no ano passado. Segundo o Banco Central (BC), o saldo dos Investimentos Diretos no País (IDP) foi de US$ 90,6 bilhões em 2022, volume 95% superior ao apurado em 2021 (US$ 46,4 bilhões), alcançando o maior volume dos últimos 10 anos.

Segundo o critério de investidor imediato, a Europa permanece como a região que detém o maior estoque de IDP no Brasil, com 62,9% do total de US$901,4 bilhões. De todo o continente europeu, a Holanda lidera o ranking com 40,5% de todo o investimento, o equivalente a US$ 229,76 bilhões, segundo o mesmo relatório do Banco Central (BC).

No caso específico da Holanda, uma boa parcela dos aportes produtivos no Brasil está, de fato, vinculada às companhias holandesas, que têm negócios consolidados no país e outra parte se dá ao mercado brasileiro em crescimento, atraindo cada vez mais investidores estrangeiros. A prova é que o Brasil é o sétimo destino mais procurado pelos estrangeiros que querem investir em países emergentes, conforme aponta o Índice de Confiança para Investimento Direto Estrangeiro, da consultoria internacional Kearney. O país ficou atrás de China, Índia, Emirados Árabes Unidos, Catar, Tailândia e Arábia Saudita. Ao todo, o levantamento avaliou o desempenho de 25 nações.

"Todo investidor procura solo fértil e oportunidades. O Brasil é um desses locais: um mercado ainda pouco explorado e que merece um olhar minucioso. Decidir trazer um negócio para cá foi apostar no desenvolvimento e no crescimento do país a curto, médio e longo prazo," afirma Eduardo Delage, um dos sócios-fundadores responsável por trazer a empresa holandesa ao Brasil há 3 anos, marca mundialmente conhecida por Bluem, especializada em produtos oral care.

A Bluem, há 10 anos no mercado internacional e presente em mais de 50 países, chegou ao Brasil diante do mercado consumidor em alta, injetando aproximadamente US$5 milhões em apenas 3 anos. Inicialmente começou a exportar os produtos e a distribuir no país, porém a logística não era positiva. 

Em 2020, a estrutura física e a produção também passaram a ser nacionais. "A empresa levou em conta os dados atrativos de mercado e apostou todas as fichas em um novo território. Desde 2020 já foram mais de US$ 5 milhões investidos nacionalmente e nossa expectativa é dobrar o aporte nos próximos 5 anos," assegura Delage, que comemora o faturamento mensal  médio de R$ 2.000.000,00.

A empresa holandesa, somente no ano de 2023, já firmou parceria com 3 empresas conceituadas no Brasil,, entre elas a Clínica Viotto, a Orthopride e a Oral Unic - redes do segmento odontológico - confirmando o crescimento e o aumento dos investimentos em território nacional. "Em volume geral, o setor odontológico brasileiro é o sétimo mais atrativo do mundo e a evolução desta área também nos impulsionou e nos trouxe até aqui. Estamos confiantes em nossos projetos e certos de uma ótima escolha," finaliza Eduardo. 





Autores
Caroline Soares

Retirado: Press Manager


Postar um comentário

0 Comentários