O Brasil Investe Bilhões De Reais Anualmente Na Luta Contra Os Efeitos Do Tabagismo

 

O vício em nicotina é reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a causa subjacente de uma doença crônica conhecida como tabagismo.


O consumo de produtos derivados do tabaco é uma questão de saúde pública reconhecida internacionalmente como uma doença crônica causada pela dependência à nicotina, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). O Instituto Nacional de Câncer (Inca) divulgou informações que indicam que o Brasil gasta aproximadamente R$ 125 bilhões anualmente no enfrentamento das doenças decorrentes do tabagismo. Dentro desse montante, cerca de R$ 50,2 bilhões são destinados a despesas médicas diretas, o que representa aproximadamente 7,8% dos gastos totais com saúde no país.



Além disso, outros R$ 42,4 bilhões abrangem despesas indiretas devido à perda de produtividade resultante de mortes prematuras e incapacidades. Adicionalmente, R$ 32,4 bilhões são alocados para cuidados com familiares e indivíduos próximos afetados pelas doenças relacionadas ao tabagismo.


Esses números incluem os custos diretos e indiretos que o Sistema Único de Saúde (SUS) suporta no enfrentamento de aproximadamente 50 diferentes enfermidades relacionadas ao consumo de tabaco. Entre as condições abrangidas estão diversos tipos de câncer, complicações do sistema respiratório e doenças cardiovasculares. Além disso, outras patologias associadas ao tabagismo, como úlceras no aparelho digestivo, osteoporose, catarata, distúrbios buco-dentais, disfunção erétil em homens e infertilidade em mulheres, menopausa precoce e complicações durante a gravidez, também estão contempladas.


No decorrer de 2023, o Inca já registrou mais de 32 mil casos de câncer envolvendo traqueia, brônquios e pulmões, com uma estimativa de que mais de 80% desses casos tenham relação com o consumo de tabaco. Em 2020, dados do mesmo instituto apontaram que o tabagismo foi responsável por 161.853 óbitos, equivalendo a uma média de 443 mortes diárias ou cerca de 13% do total anual de mortes no país.




Fonte
Conexão Política


Postar um comentário

0 Comentários