Mercosul É A Solução Para Transição Energética E Para Segurança Alimentar


 Evento avaliou dois temas fundamentais para o agronegócio sul-americano: o acordo Mercosul/União Europeia e o Green Deal (Pacto Verde Europeu)

São Paulo, 13 de setembro de 2023 – O Mercosul é uma potência alimentar, na produção de bioenergia e em soluções para combater as mudanças climáticas. Contudo, o mundo não reconhece essas características de maneira clara. Por isso, o Grupo de Países Produtores do Sul (GPS), formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, tem trabalhado há 10 anos para analisar e divulgar a capacidade do bloco nessas áreas, dialogando com governos para se posicionar de forma estratégica. “Nossa região é a solução em matéria alimentar e para a transição energética”, afirmou Marcelo Regúnaga, coordenador-geral do GPS, durante o encontro Para onde vai: Mercosul/União Europeia, promovido pela entidade e pela Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), nesta quarta-feira (13/9), em São Paulo (SP).

Realizado na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), o evento trouxe avaliações sobre dois temas fundamentais para o agronegócio sul-americano: o acordo Mercosul/UE e o Green Deal (Pacto Verde Europeu). Em seu pronunciamento inicial, Luiz Carlos Corrêa Carvalho, presidente da ABAG e representante do Brasil na Comissão de Coordenação Regional do GPS, reafirmou o protagonismo do Mercosul em âmbito global, as oportunidades que estão surgindo com as mudanças geopolíticas e com as mudanças climáticas, e o trabalho realizado pelo GPS para ações cada vez mais efetivas e coordenadas para o crescimento sustentável do bloco.

“A nova industrialização é a bioeconomia, e o negócio do século XXI é a economia verde. Nesse sentido, o agronegócio desenvolvido em nossa região tem aplicado tecnologia e ciência, sendo altamente produtivo e, ao mesmo tempo, protegendo biomas, revitalizando o solo de clima tropical, sequestrando carbono e diminuindo as emissões de gases de efeito estufa”, afirmou Carvalho. Ele ponderou que o Green Deal tem muito mais sanções do que cooperação. “Não vemos janela de abertura de mercado. No modelo em que foi desenhado, não está bem colocado para uma realidade flexível que o mundo precisa ter”, comentou.

Para Regúnaga, os problemas mundiais precisam ser resolvidos de forma global. No caso do Green Deal, as medidas questionam os mecanismos de governança global, pois cada país estabeleceu sua meta para o combate às mudanças climáticas, a partir de acordos estabelecidos na Conferência das Partes (COP). “As nações são soberanas e essa legislação quer mudar as regras do jogo, gerando um desafio de relacionamento entre os países. As regras precisam ser consensuais com as nações que estão sendo afetadas”, afirmou.

Moderador do painel, Ingo Plöger, vice-presidente da ABAG, comentou que a Europa é uma grande indutora de ideias e de conceitos, e que o Mercosul quer estar junto às iniciativas da União Europeia (UE). “Mas a sanção não é o melhor caminho. A Europa, talvez, não esteja atenta que existem outros países que estão olhando para nós, como os Estados Unidos e a China. O país norte-americano ainda não entrou de fato na economia verde, mas possui trilhões de dólares de subvenções para fazer esse mercado acontecer”.

Acordo Mercosul e União Europeia

No painel Diálogo sobre o impacto do Acordo Mercosul-UE, moderado por Marcelo Regúnaga, Agustín Tejeda Rodriguez, diretor de Conteúdos e Comunicações do GPS, ponderou que houve muitas mudanças desde o início das negociações entre os dois blocos, mas que o acordo com a UE se mantém sendo importante, pois vai beneficiar todos os países em termos econômicos, geopolítico e institucional, além de possibilitar a transferência de tecnologia, de conhecimento e de investimentos. Outro fator está ligado à cooperação, que pode fomentar o desenvolvimento de biotecnologias. Por outro lado, há um equívoco na avaliação da UE dos impactos da produção agropecuária do Mercosul, que é moderna, eficiente e comprometida com a conservação de recursos naturais.

Renato de Souza Meirelles, presidente do CAF Brasil e representante da Câmara Oficial Espanhola de Comércio no Brasil, afirmou que o acordo Mercosul/UE precisa avançar, e que os dois blocos estão preparados para firmar o acordo. “Chega de impor barreiras e colocar obstáculos”, pontuou. Avaliou ainda que ajustes precisarão ser feitos de forma equilibrada, “sem neologismos”.

Em concordância com a análise de Meirelles, Barbara Konner, vice-presidente executiva da Câmara Brasil-Alemanha de São Paulo (AHK Brasil), afirmou que não há a necessidade de sanções, e que ambos os blocos estão perdendo oportunidades pelo acordo ainda não ter sido concluído, como no caso das licitações, cuja estimativa é de um mercado de US$ 150 bilhões para empresas europeias. A seu ver, um dos pontos mais importantes para se fazer negócio é a segurança política. “Um acordo assegura as regras do jogo”, cravou. Segundo pesquisa realizada pela AHK Brasil, 54% das empresas associadas acreditam na ratificação do acordo até o final deste ano, enquanto quase 25% das companhias creem que a finalização se dará até 2024.

10 anos de GPS

O GPS foi fundado há 10 anos, a partir de um evento presidido pelo ex-Ministro da Agricultura Roberto Rodrigues. Horacio Sanchez-Caballero, head do Conselho Consultivo do GPS, contou que sua formação foi motivada pela ideia de se ter um trabalho em conjunto entre os quatro países em três dimensões: produção de alimentos, comércio e preservação ambiental. O início das conversas foi na Argentina e, na medida em que essa proposta era discutida, foram sendo convocadas instituições dos demais países para participar, o que levou ao aperfeiçoamento das propostas. “A união é essencial para transformar a realidade. Nossa proposta é trazer iniciativas que expressem o interesse de todos e que sejam resistentes. Nos mantemos firmes no rumo escolhido de cooperação e crescimento”. 

Sobre o trabalho realizado pelo GPS no Uruguai, Francisco Lezama, da Comissão de Coordenação Regional do GPS/Uruguai, ressaltou que cada país busca conhecer as melhores práticas agropecuárias e quais são os desafios que mais afetam os produtores, com o objetivo de buscar soluções. “Os parceiros se apoiam mutuamente, trocando experiências e ganhando uma aprendizagem conjunta. Quando trabalhamos a trilogia – conhecer, articular e divulgar – contribuímos para a formação de políticas públicas para fomentar o desenvolvimento nacional e regional”, salientou.

Na avaliação de Hector Cristaldo, da Comissão de Coordenação Regional do GPS/Paraguai, as preocupações com as mudanças climáticas não podem afetar a produção de alimentos e frear o desenvolvimento socioeconômico dos países. “Essas questões precisam ser respeitadas”, destacou Cristaldo, que acrescentou que pelos desafios comuns do Mercosul na geopolítica, o GPS tem atuado para influenciar os governos nacionais para fazer um trabalho articulado e cooperativo, pois a dispersão debilita os quatro países.

História do GPS

Diante das preocupações globais em relação à segurança alimentar global, entidades privadas do setor do agronegócio da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai fundaram, há dez anos, o Grupo dos Países Produtores do Sul (GPS), com o objetivo de destacar o papel estratégico desses países na contribuição para a segurança alimentar, e de posicionar a região globalmente como parte relevante da solução dos sistemas alimentares.

O trabalho em conjunto para ampliar a capacidade de negociação em fóruns internacionais é considerado de grande importância para melhorar a inserção internacional dos quatro países, bem como para fortalecer a integração e cooperação regional. Nesse sentido, a liderança do Brasil é considerada estratégica para destacar que a região é uma potência ambiental que desenvolveu sistemas de intensificação sustentável, que possibilitam aumentar a produtividade, conservando recursos e com baixas pegadas ambientais.

O GPS apoia os respectivos governos nas suas negociações internacionais sobre questões comerciais e ambientais. É o caso do apoio prestado nas negociações da Cúpula sobre Sistemas Alimentares das Nações Unidas (Food Systems Summit ou FSS, na sigla em inglês), realizada em Roma, em 2021. Naquela ocasião, foi organizado, a partir do GPS, um processo de consulta a entidades privadas do setor agropecuário de Argentina, Brasil, EUA e Canadá. O GPS e seus membros também preparam documentos e eventos de diálogos nacionais convocados pelos ministérios de cada país, com o objetivo de contribuir para o posicionamento estratégico da região.




Autores
Elizabeth Melo

Retirado: Press Manager


Postar um comentário

0 Comentários